domingo, 18 de maio de 2008

Sinto-me





Sinto-me perto do mar,
Da espuma branca, das algas flutuantes.
Da água que me salpica o corpo,
Das conchas que vêm com o lodo.

Sinto-me triste ao ver o dia passar,
A cortina abana-se com o vento,
Os carros passam, as pessoas andam,
O escuro avança, sem medo.

Sinto-me no cimo de uma montanha,
Ao olhar pela janela,
Como as nuvens se afastam,
Sao tão rápidas, tão belas...

4 comentários:

*izil* disse...

Belas palavras, otimo blog
parabéns
izil

Palavras para quê? disse...

Obrigada izil! Fico contente por teres gostado :)

Tiago' disse...

O poema está suave, mas acho que agora que começava a ganhar um ritmo, tu quebraste-o, acabando com ele. De qualquer das formas, o que está escrito, está bom :)

Bom blog ;)

Tiago'

Palavras para quê? disse...

Obrigado :). Espero que continues a ter essa opinião sobre ele :)