quarta-feira, 17 de junho de 2009

Fingir

E o que aconteceu à tristeza,
Quando de sol se encheu o céu?
O que aconteceu à beleza,
Quando ficou escondida, envolta num véu?

Julgam-se nobres, bem falantes,
Modos delicados, olhar cordial,
Fazem tudo para não morrer,
Mas que eu saiba, ninguém é imortal.

Imagino ser alguém que não sou,
Não escrevo, não falo, não digo,
E se tal for um castigo,
Levante-se aquele que o tempo não mudou!

3 comentários:

t i a g o disse...

Bom poema, nota-se uma certa pitada de revoltada, ou será impressão minha? Ou melhor, será aquele tal ego poético que não tu? xD

Yey! (Aparece no Google Talk agora).

Tiago

Vieira Calado disse...

Muito interessante

o seu gentil poema!

Bjs

Anjo De Cor disse...

Parecias um pouco chateada quando escreves-te estas palavras... contudo e mesmo assim soa bem ;)

Beijinhos*