sábado, 9 de agosto de 2008

Balada das cinco - Amor Solitário



Rapaz de cabelo preto,
De olhar sereno e delicado,
Quem me dera estar contigo,
Ser a rapariga da porta ao lado.


Assim que te vi na noite escura,
O coração bateu mais depressa,
Cada batida era tão repentina,
Tão inconstante, tão adversa.


Na janela do meu quarto,
Vou esperando a tua vinda,
Imaginando como seria,
Fazeres parte da minha vida.

Será apenas o teu aspecto,
Que me envolve nessa teia?
Ou foi o teu encanto,
Que está em tudo o que me rodeia?


E eu estou à espera,
À espera que um dia repares,
Que eu estou aqui,
E que sempre estarei...


Amor solitário...

2 comentários:

Marta disse...

O amor pode, às vezes ser muito solitário...
Lindo poema - simples, cheio de ternura.....
Obrigada pela visita...
Beijos e abraços
Marta

Isa disse...

Título lindo,poema lindo. Como gostei!!Ainda bem k me visitaste!
Ontem falei com o meu Filho mais velho, k está fora, de férias,e lá me disse k só "tentava" as pessoas,
com coisas doces...Então achei k ia para uma salada.Esqueci de dizer
k pode levar miolo de marisco.
Vai por mim...é mmo bom. Bjo.
isa.